domingo, 15 de fevereiro de 2015

Thinking Out Loud com o Niall

Se quiser ler enquanto escuta a música, clica aqui..

  "As duas principais famílias de Verona eram os ricos Capuletos e os Montecchios. Havia entre ambas uma velha pendência, a qual chegara a ponto de criar uma mortal inimizade, que se estendia aos mais remotos parentes e a todos os seus dependentes e servidores. (...)"
  A leitura do romance de Shakespeare começara, o diretor do teatro procurava novos rostos para a tão conhecida e aclamada obra. Muitos estavam ali para tentar um possível papel para a peça, dentre eles um jovem loiro chamou minha atenção.
  Sua pele era clara e parecia ter um aspecto aveludado. Seus olhos exibiam um azul claro que poderia ser comparado ao céu límpido e infinito. Sua boca era rosada e ficava perfeita quando ele abria um sorriso.. Até mesmo seus olhos sorriam junto, e esse pequeno gesto deixava a mostra uma covinha em sua bochecha.
  Enquanto a peça era lida, eu o analisava. A cada palavra de Shakespeare eu conseguia enxergar naquele jovem um perfeito Romeu..
  - Sem mais delongas, vamos aos testes para os papéis. Primeiro escolheremos os principais, Julieta e Romeu, e depois os atores secundários. - Jack, o diretor, falou em alto e bom som quando a leitura da peça terminou e todos ficaram em silêncio. - Vou separá-los em duplas aleatórias e ver como vocês são capazes de contracenar entre si, e logo depois que eu os separar, podem conversar com o seu parceiro enquanto não chega a vez da dupla fazer o teste. - Ele sorriu. - Vamos começar.
  Ele foi passando pelas pessoas até que chegou em mim e falou:
  - Querida, seu parceiro será o Niall, acho que você tem belas chances, boa sorte. - Ele deu um tapinha nas minhas costas e foi falar com o homem loiro, a pessoa que me peguei observando mais cedo, e logo depois ele olhou na minha direção e deu um sorriso como o que eu tanto cobicei antes.
  - (S/n), certo? - Ele falou com o sorriso se alargando, e por um instante eu me vi perdida naquele sorriso, sendo apenas capaz de balançar a cabeça afirmando. - Prazer, sou o Niall. - Ele falou estendendo a mão e eu a apertei em seguida.
  - Prazer Niall. - Falei timidamente quando soltamos nossas mãos.
  - Bom, não temos muito tempo.. - Ele falou. - Que parte da peça você acha mais fácil de interpretarmos?
  - Hm.. - Levei as mãos para minha bolsa e tirei de lá um pequeno exemplar do maior romance da história, folheei algumas páginas, já gastas por tanto que eu li, e parei na minha parte favorita da peça. - Eu gosto muito da parte da sacada, o que você acha?
  - Acho que ficaria perfeito. - Ele sorriu, me fazendo sorrir também.
  Repassamos rapidamente as falas e expressões, e logo mais nossos nomes foram chamados.
  - Boa sorte.. - Ele sussurrou ao pé do meu ouvido antes de se dirigir ao canto oposto da sala de testes e se concentrar para interpretar o Romeu.
  Me dirigi para a frente da mesma, ficando do lado direito da mesa de Jack. Respirei fundo, pensei em como Julieta se sentia e incorporei-a o máximo que pude.
  - Ai de mim! - Exclamei dando um suspiro em seguida.
  - Fala de novo, anjo radiante. Tal me pareces tu, acima da minha cabeça, como um alado mensageiro do céu, de quem os mortais guardam distância para melhor contemplar. - Niall falou numa voz baixa e extremamente sensual que me arrepiou por inteira.
  - Romeu! Romeu! Onde estás, Romeu? - Suspirei fingindo procurar pela figura do Romeu. - Renega teu pai e abjura teu nome, por meu amor. Ou se quiseres, ser apenas meu sagrado amor e não serei mais uma Capuleto. 
  Continuamos o nosso teste e quando acabamos fomos para a sala de espera, juntamente com os outros casais. Estava um clima de tensão, todos concorrendo a apenas um papel, e Jack teria uma difícil escolha a fazer, pois todos eram excelentes artistas, o que me deixava ainda mais nervosa com tudo. Eu queria muito aquele papel, ser Julieta era um sonho de infância.. Assim como interpretá-la em um grande teatro como o de Jack.
  Romeu e Julieta era um dos textos mais bonitos e marcantes de Shakespeare, era uma história de amor trágica, mas mesmo assim era uma das minhas peças preferidas. Cresci ouvindo-a e sonhando com um amor verdadeiro como o que Julieta nutria por Romeu, amor o qual ele também nutria por ela.. E de tão verdadeiro, eles escolheram a morte à viver longe um do outro.
  Estava perdida em devaneios quando Jack e sua equipe saíram da sala de testes e vieram anunciar suas escolhas. Niall segurou fortemente minha mão nessa hora e soltou um sorriso, e mesmo tentando não demonstrar o quão preocupado ele estava, seus olhos não mentiam a sua apreensão, apesar de seu sorriso me trazer uma estranha sensação de segurança.
  - Os testes foram excelentes. - Jack cortou o silêncio amedrontador. - Tenho que parabenizar a todos que vieram, foi uma honra para mim, e um missão dificílima escolher apenas um casal. - Ele suspirou. - Porém, um dos casais que eu escolhi aleatoriamente chamou minha atenção. - Ele voltou o olhar para mim e para Niall, demorando-se mais nas nossas mãos entrelaçadas. - Esse casal, que nunca haviam se falado antes, descobriram uma conexão incrível entre si, e essa conexão era perceptível a mim, como se eles se conhecessem há longos anos e estivessem fazendo o teste juntos por gostarem e acreditarem um no outro.
  A sala inteira ficou em silêncio, e Niall apertou mais fortemente minha mão, sorrindo a medida que nossos olhos se encontraram.
  - Bom, minha escolha foi a (S/n) e o Niall.. - Ele falou sorrindo para nós dois, e eu senti meu corpo inteiro vibrar com aquela notícia, antes de Niall soltar minha mão e me puxar para um abraço apertado.
  
  - Conseguimos.. - Ele sussurrou em meu ouvido no meio do abraço, e naquele instante eu esqueci o mundo ao meu redor e era como se todas as pessoas que estavam querendo nos parabenizar pelo papel simplesmente sumissem, existindo apenas nós dois por aquela pequena fração de segundos.
  - Sim.. - Sussurrei atônita quando nosso abraço se desfez e fomos receber os parabéns de todos.
  Algum tempo depois foram escolhidos os atores secundários e depois Jack nos chamou para a sala de testes novamente, o seguimos e lá ele deu as diretrizes da peça.
  - Bom, como vocês dois sabem, a peça já é uma antiga obra aclamada por todos, mas é sempre a história seguida certinha, sem haver mudanças. - Niall e eu nos entreolhamos. - Calma, não vou mudar a peça de Shakespeare, porque seria um grande desrespeito, porém, quero introduzir uma coisa nova, fazê-la ficar mais atual. O que acham? - Ele voltou seu olhar para nós.
  - Claro.. - Respondemos em coro.
  - Ótimo. - Ele abriu um sorriso. - Eu estava pensando em introduzir alguns momentos de dança na peça, se vocês concordarem claro. - Fizemos que "sim" com a cabeça. - A dança vai ser algo de vocês, vocês mesmo poderão se auto-coreografar. Só peço que seja algo calmo e que demonstre sentimentos, algo que deixe a plateia concentrada em vocês.. Algo que mostre paixão.. - Ele terminou. - O teatro estará a disposição de vocês, separei uma grande sala para vocês e vocês podem usá-la enquanto preparo os atores secundários e as apresentações deles.
  - Começamos quando? - Niall perguntou.
  - Amanhã, se quiserem. - Jack falou. - E obrigada por aceitarem esse papel, vocês são ótimos juntos.. - Essa última frase dele nos constrangeu, tanto Niall como eu coramos com o comentário, e esperamos o diretor sair da sala para podemos conversar.
  - Então.. - Niall quebrou o silêncio após Jack sair e fechar a porta da sala.
  - Amanhã que horas você está livre para vir ensaiar? - Perguntei.
  - Posso lá pelas quatro da tarde, saio do trabalho e venho aqui, não é tão longe. - Ele falou me olhando.
  - Okay, então quatro horas. - Falei sorrindo.
  - Ai se for o caso estendemos um pouco pela noite, se não for problema para ti. - Ele falou sorrindo também.
  - Problema algum. - Meu sorriso se alargou. - Bom, agora acho melhor eu ir, preciso fazer algumas coisas pendentes.
  - Ah, okay.. - Ele pareceu meio decepcionado quando anunciei que precisava ir embora, ou talvez tenha sido apenas impressão minha.
  - Até amanhã. - Cheguei perto dele abraçando-o e em seguida depositando um leve beijo em sua bochecha.
  - Até.. - Ele sussurrou antes de eu me soltar do abraço dele, pegar minhas coisas e ir em direção a saída.

  xx No dia seguinte.. xx

  Cheguei ao teatro faltando quinze minutos para as quatro, segui em direção a sala a qual Jack havia reservado para gente, e era simplesmente linda.. Talvez a melhor sala que eu já havia visto, pela sua grandeza e por passar uma sensação de calmaria em meio à realidade do mundo lá fora. Deixei minhas coisas em um cantinho da sala e comecei a me alongar, colocando uma das minhas músicas preferidas para preencher o ambiente enquanto Niall ainda não chegava.
  Poucos minutos depois ele adentrou a sala, estava vestindo uma roupa social que o deixava ainda mais bonito, e não deixa dúvidas de que ele era perfeito para esse papel. Ele me cumprimentou e foi se trocar, tirando a roupa social e voltando com uma informal, como a que eu usava.
  - Bom.. - Ele falou enquanto se alongava. - Precisamos começar logo. - E um sorriso tomou conta de seu rosto.
  - Sim. - Concordei, sorrindo também.
  - Preciso admitir uma coisa.. - Ele falou me olhando e esperei em silêncio para que ele continuasse. - Gostei muito de ser escolhido para fazer o teste com você.. - Meu sorriso se alargou. - Você será uma ótima Julieta.
  - Igualmente, Romeu. - Ele sorriu.
  - Então, Julieta, já pensou em alguma música? - Ele perguntou delicadamente. - Porque quando entrei estava tocando uma música e achei que poderíamos usá-la, gostei da melodia.
  - Claro, e a letra também é linda.. - Falei pensando em cada palavra de Thinking Out Loud, e sorrindo ao saber que usaríamos essa música.
  - Perfeito então.. - Ele riu, e então dei play na música novamente e começamos a ensaiar alguns passos de dança.
  As horas se passaram sem que ao menos nós notássemos.. Saímos da academia já se passavam das oito da noite, e Niall se ofereceu para me dar uma carona para casa, acabei aceitando, e convidei ele pra entrar, para comermos algo. Então ficamos conversando ao longo da noite, e a companhia dele era tão boa, eu sentia que nunca me cansaria de ficar horas e horas com ele ao meu lado. Ele era alguém muito interessante, desde as coisas que saiam de sua boca até mesmo cada um de seus gestos e também cada traço de seu rosto.
  Nunca acreditei em amor à primeira vista, mas a noite, depois que ele foi embora, era como se parte de mim sentisse sua falta.. Então comecei a repensar esse conceito, como era possível? Nunca acreditei em amores assim, achava uma baboseira e sempre demorei muito tempo para me apaixonar por alguém, porém com ele era diferente.
  Estou parecendo uma daquelas adolescentes apaixonadas, e nunca fui assim.. Nunca dei tanta liberdade a alguém que mal conhecia, nunca senti saudades de alguém que não era tão próximo para mim, nunca me senti perdida ao lado de alguém ou com vergonha de errar pois queria apenas impressioná-lo. Era estranho. Eu não queria sentir aquilo. Não queria estar apaixonada. Estava muito bem vivendo minha vidinha idealizada, com um trabalho bom, uma casa boa, e não precisava de alguém.. Ou pelo menos achava isso, até lembrar-me novamente de nossos momentos, ou do jeito que ele sorria de lado..
  Deitei-me na cama e peguei no sono tentando forçar-me a esquecer aqueles tipos de pensamento, seria o melhor a fazer. Aliás, ele não estava interessado em mim, e a última coisa que eu precisava era sofrer por um amor não correspondido.

   xx Dias depois.. xx

  Cheguei novamente no teatro um pouco atrasada hoje porque estava exausta pelos ensaios do dia anterior. Caminhei até a nossa sala e encontrei o Niall lá, hoje seria o nosso ensaio geral, ele estava sentado sob o chão de madeira e me sentei ao seu lado. Repassamos as falas da peça e nos preparamos para ensaiar a dança pela última vez. Caminhei até o outro lado da sala, ficando de frente para ele e há muitos metros de distância e ele deu play na música.

  When your legs don’t work like they used to before
(Quando suas pernas não funcionarem como antes)
And I can’t sweep you off of your feet
(E eu não conseguir te deixar nas nuvens)
Will your mouth still remember the taste of my love?
(Sua boca se lembrará do gosto do meu amor?)
Will your eyes still smile from your cheeks?
(Seus olhos vão sorrir até suas bochechas?)

  A melodia começou a soar suave, ecoando pela enorme sala de ensaio, e nossos olhares se encontraram, e continuamos nos encarando até nos encontrarmos no centro da sala e ele me segurar em seus braços, abraçando-me levemente e em seguida me girar, segurando minha mão forte e confiantemente e fazendo-me voltar para o conforto de seus braços poucos segundos depois.
  Ele soltou um sorriso e colocou uma das mãos na minha cintura, enquanto eu pousava uma das minhas mãos em seu ombro largo e eclético, e nossas mãos livres se envolviam, dando início à uma valsa muda e calma. Com nossos corpos colados e roçando enquanto nos movíamos pela enorme sala, meus pensamentos estavam ainda mais confusos, fazendo-me me preocupar com toda aquela proximidade entre nós.. Pois, quando acabasse o teatro o que seria de mim? Era como se eu precisasse dele, precisasse dessa proximidade dele, de seu sorriso para iluminar meu dia e de seus braços para me acolherem quando tudo parecia estar mal..

  Darlin I, will be lovin’ you till we’re seventy
(Querida, te amarei até termos 70 anos)
And baby my heart could still feel as hard at twenty three
(E baby, meu coração ainda vai se apaixonar como se tivéssemos 23)
And I’m thinking about how people fall in love in mysterious ways
(Penso em como as pessoas se apaixonam misteriosamente)
Maybe just the touch of a hand
(Talvez só o toque de uma mão)
Well me I fall in love with you every single day
(Oh, eu, me apaixono por você todos os dias)
And I just wanna tell you I am
(E só quero dizer que estou apaixonado)

  Ele encarava nossos pés, tentando não errar o passo enquanto bailávamos pela sala. Tirei minha mão de seu ombro e segurando seu queixo, ergui levemente sua cabeça, fazendo-o olhar nos meus olhos com aqueles olhos doces que apenas ele possuía.. Ele sorriu, fazendo-me sorrir também e minha mão livre foi para o seu pescoço, arranhando levemente o local, e fazendo-o se arrepiar momentaneamente, e continuamos dançando pela sala até ele me liberar da dança envolvente para me fazer virar de costas para ele, e girar uma vez antes de voltar para os seus braços.
  
  Ele ergueu as mãos, soltando-me e colei as minhas em sua cintura, contornando seu corpo até chegar novamente a sua frente, olhando para seus olhos que faiscavam.. Ele segurou minha cintura, tirando-me do chão por poucos segundos e então mais uma vez me deixou de costas contra o seu corpo, colando nossos corpos e suas mãos percorreram meus braços nus, arrepiando-os enquanto sua respiração quente fazia contato com o meu pescoço antes dele depositar um leve beijo no local.

  So honey now
(Então querida, agora)
Take me into your lovin’ arms
(Me acolha em seus braços amorosos)
Kiss me under the light of a thousand stars
(Beije-me sob a luz de milhares de estrelas)
Place your head on my beating heart
(Coloque sua mão em meu coração acelerado)
I’m thinking out loud
(E estou pensando em voz alta)
Maybe we found love right where we are
(Que talvez tenhamos encontrado o amor bem onde estamos)

  Depois corri para longe de seu corpo, contra minha vontade, mas parte da dança, e ele me encontrou rapidamente, puxando-me pela mão e fazendo-me olhar para o fundo de seus olhos azuis enquanto juntava nossas mãos novamente, em seguida soltando-a e segurando-me em seu colo e forçando-me a fazer uma acrobacia, mesmo com o meu medo de errar na hora e estragar tudo. Ele pediu a acrobacia e olhando no fundo daqueles olhos extremamente azuis e envolventes, pude me sentir segura a ponto de não recusar seu pedido.
  Quando meus pés puderam sentir novamente o chão de madeira me senti mais tranquila, e continuando a coreografia, ele me colocou a sua frente e travamos como se fosse uma batalha com as nossas mãos antes dele colar seu corpo contra as minhas costas e se curvar em cima de mim, fazendo seu rosto ficar perigosamemente perto do meu. Seus olhos azuis eram mais azuis do que qualquer mar da costa. E sua boca estava apenas a centímetros da minha, fazendo-me até mesmo sentir sua respiração quente contra meu rosto, segundos antes de forçarmos nossas cabeças para o lado oposto, dando a impressão do quão errado era aquele pequeno ato..

  When my hairs all but gone and my memory fades
(Quando perder meus cabelos e minha memória falhar)
And the crowds don’t remember my name
(E as multidões não se lembrarem do meu nome)
When my hands don’t play the strings the same way
(Quando minhas mãos não tocarem violão do mesmo jeito)
I know you will still love me the same
(Sei que continuará me amando da mesma maneira)

  Em seguida, ficamos novamente de frente um para outro, e eu o envolvi delicadamente com meus braços, enquanto as mãos dele estavam sobre a minha cintura e nossas testas estavam coladas. Nossos corpos se movimentavam vagarosamente em um perfeita harmonia, um sorriso tomava conta de nossos rostos. Então ficamos de costas um para o outro e colamos nosso corpo por trás, escorregando até sentarmos no chão de madeira, coloquei minha cabeça sobre seu ombro e ele fez o mesmo. Seu perfume me envolvia, era um cheiro diferente e viciante, o tipo de perfume que minha mente arquivou e que me enlouquecerá quando a peça acabasse..

  Cos, honey your soul could never grow old
(Porque, querida, sua alma nunca envelhece)
It’s evergreen
(É sempre jovem)
And baby your smiles forever in my mind and memory
(E baby, seu sorriso estará sempre na minha mente e memória)

  A música continuava e dada a deixa, fiquei de joelhos ao lado dele e coloquei minha mão sobre seu coração pulsante antes de fazê-lo deitar sobre a madeira, e eu me colocar acima de seu corpo, com ajuda dele me apoiando, para que o peso do meu corpo não cedesse sobre minhas mãos e eu acabasse caindo sobre ele. Fiquei de pé, sustentando-me pelos meus pés, um de cada lado do corpo dele e as mãos dele passaram levemente por minhas pernas antes de eu me apoiar novamente em minhas mãos e jogando meus pés para o alto, como se plantasse uma bananeira, e saísse de cima de seu corpo, para logo em seguida seus braços me alinharam fazendo-me deitar contra seu peito. Nossas pernas entrelaçaram-se e ele beijou minha testa de leve.

I’m thinking about how people fall in love in mysterious ways
(Penso em como as pessoas se apaixonam misteriosamente)
And maybe it’s all part of a plan
(Talvez seja tudo parte de um plano)
I’ll just keep on making the same mistakes
(E eu vou continuar cometendo os mesmo erros)
Hoping that you’ll understand
(Esperando que você entenda)

  Depois ele se sentou e me puxou para sentar ao seu lado, erguendo uma de minhas pernas e fingindo tocar nela como se fossem cordas de violão. Em seguida ele levantou-se e me fez levantar também e seguimos dançando até uma das pontas da sala, então ele segurou minha cintura fortemente, e joguei meu corpo para trás enquanto ele me girava, em seguida entrelacei uma de minhas pernas na cintura dele e ele me carregou até o meio da sala. Lá, ele soltou minhas perna e segurando minhas mãos fortemente, voltamos a dança sincronizada até ele me pegar no colo, e me girar fazendo minhas pernas entrelaçarem em seu abdomem, o qual eu conseguia sentir delineado pela fina camisa.

  Baby now
(Baby, agora)
Take me into your lovin’ arms
(Me acolha em seus braços amorosos)
Kiss me under the light of a thousand stars
(Beije-me sob a luz de milhares de estrelas)
Oh darling
(Oh, querida)
Place your head on my beating heart
(Coloque sua mão em meu coração acelerado)
I’m thinking out loud
(E estou pensando em voz alta)

  Ele girou comigo pela sala, e pendi minha cabeça para trás com ele segurando fortemente minhas coxas, até meu cabelo longo tocar a madeira, em seguida ele me segurou mais forte e voltei, ficando cara a cara com ele enquanto ele me abaixava até meus pés tocarem no chão frio e então ele me envolveu em um abraço e começamos mais uma vez a movimentação lenta e enlouquecedora.
  
  Nossos corpos colados.
  Nossas respirações misturadas.
  Nossas bocas tão perto, que poderia beijá-lo.
  Nossos olhos que não cansavam de se encarar, tentando adivinhar segredos ocultos.

  Baby we found love right where we are
(Oh, baby, encontramos o amor bem onde estamos)
Baby we found love right where we are
(Oh, baby, encontramos o amor bem onde estamos)

  Continuamos até a música estar no fim, então nos sentamos na madeira, entrelaçamos uma de nossas mãos e deitamos. Ele me puxou para o seu peito e entrelacei uma de minhas pernas na dele, então a música terminou, porém nenhum de nós teve a coragem necessária para se mover. Estava tão bom ali, era uma sensação nova e ao mesmo tempo parecia ser tão conhecida, mesmo que me causasse suor frio e borboletas no estômago.
  - Vou sentir saudades disso.. - Ele rompeu o silêncio.
  - Também sentirei. - Admiti, enquanto acariciava seu abdomem levemente.
  - Foi bom te conhecer e passar esses dias com você. - Pude sentir ele sorrir, mas seu sorriso era triste.
  - Igualmente.. - Falei erguendo minha cabeça até nossos olhos se encontrarem. Os olhos dele ainda brilhavam, porém menos intensamente, como se algo o incomodasse. - Está tudo bem? - Perguntei preocupada enquanto uma de minhas mãos acariciava de leve seu rosto.
  - Depende da sua definição de "estar bem".. - Ele segurou minha mão e a beijou levemente.
  - Você se sente bem? - Perguntei preocupada.
  - Sim, me sinto bem.. - Ele falou, e esperei um tempo para ver se ele continuava a frase inacabada, mas ele não se deu ao trabalho.
  - O que te incomoda? - Perguntei ainda o olhando e ele soltou um leve sorriso.
  - Ter que te deixar.. - Fiquei paralisada na hora e sem reação alguma. Então ele sentou-se e sentei-me ao seu lado.
  - Eu não sei o que dizer. - Falei após algum tempo em silêncio.
  - Não precisa falar nada.. - Ele me olhou tristemente antes de se levantar e caminhar até suas coisas. - Bom, até amanhã, e mais uma vez, foi ótimo te conhecer.. Se cuida.
  Ele começou a caminhar para a saída da sala, e entrei em pânico. Me levantei e quando a mão dele pousou sobre a maçaneta meu grito ecoou pela sala:
  - Espera..
  - Por que? - Ele se virou e eu o alcancei rapidamente parando à sua frente. Seus olhos se encontraram com os meus e eles estavam mais tristes que anteriormente.
  - Porque.. Porque talvez eu precise de você.. - Parei de falar e ele me olhou mais seriamente.
  - Precisa? - Ele perguntou com a voz falhando.
  - Sim, preciso.. - Ele não falou nada então continuei. - Preciso de ti, porque desde o dia da leitura da peça é o seu rosto que atormenta meus pensamentos antes de dormir, é você que tem o perfume que me faz delirar, é seu abraço o meu preferido, suas mãos as que mais se encaixam nas minhas, seu sorriso que me dá uma razão para levantar da cama todas as manhãs e seus olhos que me acalmam e me passam segurança.
  Ele soltou a mochila que segurava e me abraçou.
  - Acho que estou apaixonada por você.. - Sussurrei quase inaudível.
  - Também acho que estou apaixonado por ti.. - Ele beijou minha testa e em seguida desceu beijos até chegar a minha boca. Beijando-me demorada e calmamente, e foi uma das melhores sensações que já senti. Nossos corpos emanavam um calor viciante. Os braços dele envolviam minha cintura, puxando-me para junto de seu corpo, enquanto minhas mãos estavam postas em torno do seu pescoço Nossas bocas estavam coladas, e nossas línguas em perfeita harmonia.
  
  E naquele instante eu sentia tudo, e se controlasse o tempo pararia nesse momento e o viveria para sempre..

Gostaram meninas?
Vocês quase nem comentaram meu outro imagine, fiquei desapontada, de verdade. Estou postando esse porque é um pedido, mas não sei se continuo a postar se vocês não mudarem e começarem a dar opiniões nos imagines.
Posto outro se tiver 5 comentários..
#Mary (@letharrygo_)

7 comentários: