domingo, 1 de fevereiro de 2015

Love Me Like You Do com o Zayn

Oie meninas, esse imagine é baseado na nova música da Ellie, quem quiser pode dar play e escutar a música enquanto lê, só clicar aqui.

  Tic-Tac. Tic-Tac.
  O barulho dos ponteiros do relógio estava começando a me incomodar. A sala estava toda em silêncio, esperávamos o nosso editor chefe, que por acaso estava novamente atrasado para uma reunião. Esse atraso dele e a sua indiferença perante a nós era algo que me irritava mais a cada instante.. Mas ele era o chefe, uma palavrinha e eu seria despedida, e precisava desse emprego para me manter aqui em Nova Iorque.
  Tic-Tac. Tic-Tac.
  Os minutos se passavam, a sala continuava em um silêncio constrangedor e a demora estava me deixando no meu limite, eu precisava trabalhar caralho, tinha matérias pendentes e prazos para entregá-las. Peguei minha bolsa e puxei de lá um pequeno caderno juntamente com um caneta, e comecei a rasurar algumas ideias de possíveis matérias, apenas para passar o tempo.
  Estava envolta em meus próprios pensamentos quando a porta se abre e ele passa por ela. Todos despertam de seus próprios devaneios e se endireitaram nas cadeiras enquanto ele caminhava até a mesa de reunião e se sentava.
  Seus olhos correram pelos rostos de todos, demorando-se segundos a mais no meu.. Em seguida ele deu início a reunião e delineou como queria a próxima edição da revista, anotei tudo no pequeno caderno e tentei arquitetar uma maneira de juntar com as minhas outras ideias, eu daria um jeito e conseguiria um prestígio a mais pelas minhas matérias, as quais eram sempre elogiadas por todos, menos por ele. Senhor Zayn Malik.
  
  Terminei minhas anotações e voltei a olhá-lo, ele tirava algumas dúvidas dos iniciantes então tive tempo de sobra para analisá-lo. Ele era bonito, diferente da concepção da maioria das pessoas mas tinha algo nele que prendia sua atenção, não sei se eram os olhos, que sempre estavam indiferentes ao que acontecia e nunca expressavam o que ele realmente sentia ou talvez, sua boca, o modo como ele mordia o lábio inferior quando estava pensando ou quando seus dentes reluziam quando ele soltava um sorriso de aprovação, ou até mesmo seu jeito.. Não gostava de vários pontos, mas algo nele me intrigava, algo me fazia querer conhecê-lo e até mesmo explorar tudo o que ele poderia me oferecer.
  E apenas ter que olhá-lo de longe sem poder tocá-lo me enlouquecia, mesmo que em alguns momentos eu tivesse vontade de dar um tapa na cara dele e simplesmente pedir demissão por ele não saber reconhecer o meu trabalho..
  Tic-Tac. Tic-Tac.
  Ele encerou a reunião e em seguida esperou todos saírem da sala, sobrando apenas nós dois, pois eu havia perdido algum tempo arrumando minhas coisas para sair juntamente com os outros. Simplesmente odiava momentos assim, pois por um lado eram excitantes ao máximo, pensar em ter ele ali sozinho comigo e ele ter reservado um tempo na corrida agenda para conversarmos era quase um privilégio, mas por outro lado era tentador e enlouquecedor, a ponto de eu desconfiar do meu auto-controle.
  Ele chegou ao meu lado e eu conseguia sentir o calor que seu corpo emanava.
  - Já terminou aquela matéria que eu pedi, (S/n)? - Ele falou com a voz calma e baixa, fazendo com que meu auto-controle desse uma pequena vacilada por ficar imaginando ele sussurrando coisas indecentes em outros momentos.
  - Não, não terminei. - Falei me apoiando na mesa e levantando da cadeira pois dava para sentir que seu olhar percorria meu corpo.
  - Seu prazo está acabando.. - Ele falou dando um sorriso debochado quando me virei para encará-lo. E esse era um dos momentos que eu tinha que me segurar para não espancá-lo.
  - Sei muito bem disso. - Falei decidida e ele me olhou ainda com a expressão de deboche. Como alguém pode me causar tanto desejo e ao mesmo tempo me fazer ter vontade de matá-lo? Por que ele tinha que ser tão misterioso ao ponto de me deixar inquieta só de imaginar seus mais secretos desejos? E principalmente, como eu podia sentir desejo e repulsa ao mesmo tempo? Isso me enlouquecia, mas eu teria que ser forte dessa vez e responder a altura, pois já aceitava sua indiferença, agora teria que aceitar o deboche? Ah não.. - Eu teria finalizado a matéria hoje de manhã, se não fosse pelo seu atraso que estendeu demais a reunião.
  Ele ficou apenas me encarando enquanto peguei minha bolsa e simplesmente sai da sala deixando-o ali parado e sozinho. Onde arrumei coragem para fazer isso? Nem eu mesma sei, mas ele mereceu e mesmo que isso custe meu emprego, não sinto nem um pingo de arrependimento.
  Caminhei pela redação até chegar a minha sala, fechei a porta e me escorei contra ela, escorrendo até estar sentada no chão. Agora que ele não estava na minha frente e seu perfume não estava no ar fazendo com que eu não conseguisse pensar direito, eu estava pesando as consequências das minhas ações, meu Deus, o que eu havia feito?
  Pensei em pedir desculpas, mas isso mostraria o quão fraca eu era, então a melhor solução seria apenas agir como se nada tivesse ocorrido e rezar para ele não me despedir. Me levantei, ajeitei minha saia e sentei a mesa, peguei todas as matérias que precisavam ser terminadas e dei o meu melhor para concluir cada uma delas, e enquanto eu estava escrevendo consegui tirar o Senhor Malik, a nossa linda conversa e todos os outros problemas e me concentrar inteiramente em cada matéria.
  Quando terminei-as já havia passado do meu horário, a redação deveria estar vazia, se não fosse pelo Malik, que varava muitas das noites em sua sala lendo e ajeitando a revista, até ela ficar perfeita à sua visão.. Peguei minhas matérias e sai da minha sala, caminhando calmamente pelos corredores, que se encontravam em sua maioria apagados e totalmente vazios, até que cheguei a sala dele.
  Por um tempo fiquei parada em frente a porta, o silêncio dentro da sala era perturbador, não havia nem mesmo o mínimo ruído. Meu coração estava disparado e minhas pernas poderiam fraquejar, pensei em sair correndo e voltar para minha sala, onde estaria "segura" mas eu precisava pelo menos tentar manter o meu emprego. Dei um passo a frente e bati na porta, ele apenas me mandou entrar, sua voz era impassiva, o que me deixava com medo e excitada ao mesmo tempo.
  - Estava esperando por você. - Ele falou após eu entrar e fechar a porta atrás de mim. Minhas pernas tremiam e antes de me virar para ele tentei escolher bem as minhas palavras seguintes.
  - Eu vim te trazer todas as matérias que estavam inacabadas. - Falei caminhando até a mesa dele e colocando minhas folhas em suas mãos. Ele analisava cada movimento meu, algo constrangedor.. O que ele estaria pensando? Será que teria os mesmos desejos por mim? Será que via algo mais em mim?
  - Obrigada.. - Ele falou e abaixou os olhos, me virei e comecei a caminhar em direção a porta. - (S/n), não acabamos ainda.. - A voz ele adquiriu um tom extremamente sexy, o que fez meu sangue gelar por pensar na nossa próxima conversa, mas ao mesmo tempo fez meu coração bater mais aceleradamente. Se as coisas continuassem assim, em pouco tempo eu entraria em combustão.
  - O que temos para conversar? - Falei me virando novamente para ele, e sustentando seu olhar em um tom desafiador, o qual nem eu mesma sabia se conseguiria manter por muito tempo.
  - Sente-se. - Ele pediu e eu obedeci, caminhando até a cadeira em frente a sua mesa e me sentando. Podia observar seus olhos em minhas pernas, mas preferi fingir que não havia percebido e tentar manter uma conversa adulta e civilizada com ele.
  - Mais alguma coisa? - Perguntei encarando-o e ele me olhou surpreso.
  - Não gostei como me tratou anteriormente e também não estou gostando de como você está me tratando agora. - Ele falou com autoridade.
  - Você mereceu o jeito que te tratei antes e está merecendo como estou te tratando agora. - Me levantei e ele também, mas fiquei paralisada no momento que ele começou a caminhar até mim, e segurou meu braço fortemente, mas não a ponto de deixar marcas ou machucar, e me fez encará-lo nos olhos. - Isso pode ser considerado abuso.. - Falei com a voz e as pernas trêmulas.
  - Só estou te tratando do jeito que você merece. - Ele falou repetindo minhas palavras e minha vontade de dar um belo tapa naquele rosto cresceu ainda mais.
  - Por que você está fazendo isso? - Perguntei subindo a voz em dois oitavos. - Por que você não me despede logo? Por que tem que fazer isso? - Soltei não conseguindo conter as palavras.. Provavelmente eu me arrependeria, mas no momento estava pouco me importando com as consequências.. Minha sanidade mental estava acabando juntamente com o meu controle.
  - Eu não poderia te despedir.. - Ele falou soltando meu braço e acariciando levemente meu cabelo.
  - E por que não? - Falei em tom desafiador.
  - Porque você é uma das melhores aqui da redação e seria erro meu te despedir e dar a chance de outra revista se apoderar de ti.. - Ele falou relutante e não consegui conter um sorriso de vitória. - E mais uma coisa, você é linda e mexe comigo, não poderia perder o privilégio de te ter tão perto de mim mesmo que eu não possa te tocar por ser "abuso"..
  Minhas pernas ameaçaram fraquejar e ele chegou mais perto de mim. Eu estava atônita a tudo, não conseguia encarar o peso de suas palavras, então as mãos dele envolveram minha cintura, prendendo-me contra seu corpo e eu consegui sentir todo o abdomem dele através da fina camisa social branca. Aquilo era demais para minha mente. Ele era o meu medo, mas eu não me importava no momento, a única coisa que queria era tocá-lo, descobrir tudo o que por tanto tempo só consegui imaginar e agora estava bem a minha frente como um sonho realizado.
  Ele abaixou a cabeça, colando a boca no meu ouvido e falou baixa e roucamente:
  - Se eu te beijar agora, você consideraria abuso? - Então mordeu de leve minha orelha, minhas pernas iriam fraquejar a qualquer momento e meu coração estava tão acelerado que eu poderia ter um ataque cardíaco a qualquer instante.
  - Me beije.. - Eu sussurrei com a voz trêmula. Meu corpo era controlado pelos mais primitivos desejos, eu nunca estive mais fora de mim do que neste singelo momento, era como estar a beira do paraíso pronta para pular para o inferno e deixar todos os meus sentimentos aflorarem.
  Sem dizer palavra alguma ele beijou minha testa, em seguida meu nariz, depois meu queixo até finalmente chegar a minha boca, e quando nosso lábios se encontraram depois de tanto tempo que eu apenas sonhava com tal feito, era como se eu ganhasse uma força e uma coragem anormal. Minhas mãos, antes trêmulas por causa do toque dele, agora seguravam seus cabelos puxando-o cada vez para mais perto de mim, como se fosse fisicamente possível.
  
  As mãos dele continuavam a apertar minha cintura enquanto nosso beijo se intensificava a cada segundo, fazendo com que eu me viciasse aos poucos, como se eu precisasse dele para continuar vivendo. Minhas mãos começaram a arranhar suas costas por cima da fina camisa, e ele separou nossos lábios, me empurrando até eu encostar na mesa, em seguida ele jogou tudo o que estava em cima dela no chão, não se importando com nada mais, e me sentou lá, desabotoando a camisa social antes de voltar a me beijar.
  Eu tirei a camisa dele e joguei em algum canto da sala, entrelaçando minhas pernas em seu abdomem nu para tê-lo mais perto de mim. Eu sentia necessidade de sentir seu corpo, como se cada pedaço de sua pele fosse um santo graal que eu tinha que encontrar para me satisfazer por completo. Ele passou a mão pelas minhas costas, e abriu o zíper da minha saia, para assim poder levantá-la, e em seguida juntar novamente nossos corpos para continuar o beijo vicioso.
  - Eu preciso de você.. - Falei baixinho ao pé do ouvido dele e senti seus pelos da nunca arrepiarem.
  - Você me tem.. - Ele falou mordendo o lábio inferior, e então começou a desabotoar meu camisete branco, me deixando apenas de lingerie em poucos instantes. Sem ficar para trás corri minhas mãos pelo seu abdomem delineado até chegar a sua calça, abri o zíper devagar, enquanto ele mordia os lábios fortemente.
  Abaixei sua calça e ele me ajudou a tirá-la, estávamos os dois semi-nus, empatados mais uma vez nessa batalha, mas por pouco tempo pois as mãos dele foram para o fecho do meu sutiã, tirando-o poucos segundos antes dele começar a beijar o meu pescoço e descer os beijos até um dos meus seios. O beijo dele parecia ser uma droga, causar um efeito viciante a cada pequena parte do meu corpo a qual ele beijava, e isso era totalmente enlouquecedor.
   Eu estava literalmente enlouquecendo com apenas esses toques dele, e não aguentaria por tanto tempo mais.. Arranhei fortemente as costas dele e parou e ficou me encarando enquanto eu mordia os lábios e sustentava o olhar dele.
  - Eu.. não aguento tanta tortura.. - Falei pausadamente em um sussurro. E ele me olhou como se perguntasse se eu queria fazer algo com ele, pulei da mesa para o chão, puxando minha saia e jogando-a em qualquer canto e fiquei apenas de calcinha na frente dele, pude sentir seus olhos percorrerem cada pequeno centímetro do meu corpo, e não vou mentir, era simplesmente maravilhoso e extremamente excitante alguém te desejar com tamanha intensidade.
  Fiquei na frente dele e encostei de leve nossos lábios, apenas num selinho demorado, em seguida beijei seu pescoço e o empurrei até ele estar apoiado na mesa, então trilhei um caminho de beijos de seu pescoço até seu abdomem, e quando cheguei a barra da boxer, tirei-a rapidamente revelando seu membro quase ereto. Olhei para ele enquanto envolvia o membro com as mãos e ele revirava os olhos sem eu nem mesmo ter feito algo.. Nessa hora senti que eu não era a única que enlouquecia na presença dele, e que ele também tinha alguns pontos fracos, sendo eu um deles, e talvez, o mais forte deles..
  Com o membro envolvido por entre as minhas mãos comecei a masturbá-lo lentamente, fazendo-o jogar a cabeça para trás e gemer baixinho, quase como se implorasse por mais, mas continuei com os movimentos apenas como um "punição" pelo que ele havia me feito, e só aumentei o ritmo quando ele segurou uma das minha mãos fazendo com que eu me apressasse nos movimentos.. Mas ele não aguentou a tortura por tanto tempo, segurou fortemente minha cintura e inverteu nossas posições enquanto sua língua desvendava cada milímetro da minha boca.
  Me deixei levar por esse momento, e a temperatura da sala continuava subindo.. Dentro de poucos instantes estávamos os dois nus e cada um explorando o corpo do outro como se o mundo fosse acabar amanhã e essa fosse nossa última noite juntos, mas não era.. Hoje era apenas o começo de uma das maiores aventuras de nossas vidas. Parecia algo irreal, parecia um sonho, sonho o qual eu nunca gostaria de acordar.
  As mãos dele desceram para as minhas coxas e ele as apertou fortemente, me impulsionando para cima, então entrelacei minhas pernas novamente em seu abdomem enquanto ele me carregava até a parede mais próxima, me colocando contra ela e me impulsionando o máximo que era possível, e nisso foi comprimindo ainda mais seu corpo contra o meu, o que era a cada instante mais enlouquecedor e mais excitante.
  
  Zayn juntou nossas bocas com ferocidade e eu segurei mais fortemente seus ombros, quando paramos na busca pelo ar, ele levou a boca até meu ouvido e simplesmente sussurrou:
  - Você está.. pronta? - Sua voz saiu incrivelmente baixa e sexy, fazendo com que meus desejos mais primitivos acordassem dentro de mim, e também fazendo com que eu fosse incapaz de negar algo a ele nesse exato momento.
  - Sim.. - Surrei quase sem voz. - Me traga a vida novamente.. O que você está esperando?
  Ele não falou nada, não precisávamos de palavras.. Suas mãos apertaram mais fortemente minhas coxas e ele me penetrou devagar, fazendo com que todo o mundo a nossa volta desaparecesse, era como estar no paraíso e no inferno ao mesmo tempo, era tentador, e melhor do que tudo que eu já havia sonhado com ele..
  Seus movimentos começaram a ganhar vida e em pouco tempo foram se intensificando, os únicos ruídos que preenchiam a sala eram nossos gemidos, que por mais que tentássemos incansavelmente abafá-los com um beijo era quase impossível contê-los.. Eu havia deixado ele determinar o ritmo pois minha mente estava girando e eu não conseguia pensar com clareza. O que estávamos fazendo era errado, o que deixava tudo ainda mais tentador, e cada parte do meu corpo parecia estar prestes a entrar em combustão.
  Eu o havia seguido pela escuridão e agora era como se seu toque estivesse me levando para o espaço.. Nunca pensei que isso iria acontecer, pensei que seriam apenas devaneios os quais eu esqueceria em pouco tempo, mas não tinha como, muito menos agora, muito menos depois de tudo isso.. Como eu pude deixar chegar ao ponto de significar tanto? Como pude deixar chegar ao ponto de não querer mais homem algum se ele não for o Malik? Como poderei me satisfazer com outro corpo roçando contra o meu se cada centímetro do meu corpo anseia desesperadamente pelo corpo dele?
  Depois de um tempo cheguei ao meu ápice, minhas pernas tremiam e era a melhor sensação do mundo, tão forte que eu poderia perder meus sentidos a qualquer momento, mas precisava aguentar firme.. pelo menos até ele chegar ao seu ápice, o que aconteceu depois de mais alguns movimentos frenéticos, assim ele foi diminuindo o ritmo e fazendo com que todo o meu corpo parecesse ansiar por mais e mais. E nunca homem algum havia me dado tanto prazer ou me deixado com aquela sensação de que eu estava nas nuvens ou até em outra galáxia por estar vendo estrelinhas, mas com ele era diferente, ele conseguiu me fazer sentir tudo isso.. Ele era uma droga, e eu já havia me viciado completamente e não tinha mais salvação.
  Ele continuou dentro de mim e me apertou mais contra a parede, não deixando nem um milímetro entre os nossos corpos.. Meu corpo parecia estar em chamas apenas pelo mínimo contato de nossas peles, e naquele momento eu senti que poderia ficar assim para sempre. Ele juntou nossas bocas em um beijo profundo e por incrível que pareça, terno.
  Depois a pressão que suas mãos exerciam sobre minhas coxas ficou mais leve e ele me deu um selinho demorado antes que eu pudesse tirar minhas pernas de seu abdomem, como se ele selasse a noite de hoje, deixando tudo como um segredo. O nosso segredo.
  Começamos a recolher nossas roupas e pouco tempo depois já estávamos devidamente vestidos, como se tudo aquilo tivesse sido apenas mais um de meus devaneios, mas não era, e nós dois sabíamos que talvez essa nossa perda de controle tivesse grandes consequências no futuro, mas não havia como evitar, não dava mais para negar que a paixão que sentíamos era algo que crescia mais a cada instante, e uma hora seria inevitável acontecer alguma coisa..
  Agora cabia apenas a nós decidir levar adiante ou apenas fingir que esquecemos.. Terminei de ajeitar meu cabelo e senti seus olhos me analisando novamente, será que ele não cansava de me olhar? Eu não tinha nada demais..
  - Err.. - Pigarreei, chamando atenção dele para mim, e ficamos sustentando o olhar um do outro enquanto eu pesava as minhas próximas palavras. - Já está ficando tarde.. - Engoli em seco. - Melhor eu ir..
  - Sim.. - Ele falou novamente com a voz impassiva, e sem demonstrar sentimento algum, o que por um lado foi doloroso pois eu esperava pelo menos um "fica mais um pouco" e não que ele apenas me deixaria ir, mas por outro lado era melhor assim, era melhor eu seguir com a minha vida, e esquecer o que havia acontecido entre nós, ou melhor, tentar esquecer, porque não conseguiria apagá-lo da minha memória nem se eu quisesse..
  Me virei e comecei a andar a caminho da porta, o silêncio seria absoluto novamente se não fossem pelos ruídos que o salto da minha sandália deixavam pelo caminho. Eu sai da sala e fechei a porta atrás de mim, ainda estava atônita pelo acontecido e magoada por ele não ter me pedido para ficar, mas continuei a caminhar, até que ouvi passos frenéticos pelo corredor, seguidos pelo eco de sua voz.
  - Espera.. - Ele falou com a voz controlada e parei me virando e vendo-o correr até mim, até chegar mais perto e acabar com a distância que havia entre nós, me puxando para um beijo intenso, até pararmos procurando ar e em seguida juntou nossas testas. - Eu.. eu preciso que você fique..
  
  - Eu estou aqui.. - Falei baixinho e ele segurou uma de minhas mãos colocando-a contra o peito, e fazendo-me sentir as batidas do seu coração, as quais estavam frenéticas.
  - Eu preciso que você fique comigo, fique na minha vida, na minha casa, na minha cama.. - Ele mordeu os lábios ao falar isso e eu apenas sustentei seu olhar, incapaz de pronunciar uma palavra. - Acho que desde que a vi pela primeira soube que iria me apaixonar, e não havia um modo de fugir de você, mesmo eu sendo frio contigo e te desprezando você continuava ali, continuava a me enlouquecer apenas por existir.. E tudo o que eu mais queria fazer era te tocar, era te ter, te fazer minha mesmo que sendo por poucos instantes, mas eu precisava te fazer minha pelo menos uma vez..
  Ele suspirou e se afastou um pouco do meu corpo, mas ainda estávamos unidos.
  - É como se fosse fosse a dor e a cura ao mesmo tempo, como se eu precisasse de te você a cada instante.. Entende? - Ele me olhou apreensivo.
  - Entendo.. - Falei em um sussurro quase inaudível. - Eu me sinto assim em relação a você..
  Um sorriso se formou nos lábios dele, aquele sorriso perfeito, que tiraria seu sono e em pouco tempo você classificaria como sorriso preferido no mundo.
  - Eu te amo.. - Ele sussurrou calmamente fazendo meu coração começar a bater aceleradamente, e minha mente girar novamente, eu não estava preparada para ouvir isso, não estava preparada para encarar que já não era apenas uma paixão momentânea mas sim, que era amor. Eu não queria saber da verdade, mas a verdade era que eu o amava. Eu o amava!
  - Eu também te amo.. - Falei e sorri pra ele, não tinha mais o porque mentir para mim mesma, muito menos para ele e perdê-lo.
  Ele beijou minha testa e falou em seguida:
  - Vamos fazer isso dar certo.. - E pela primeira vez, acreditei e me agarrei firmemente a essas palavras.

"So love me like you do, lo-lo-love me like you do
Love me like you do, lo-lo-love me like you do
Touch me like you do, to-to-touch me like you do
What are you waiting for?"


 Gostaram do imagine?
Aceito qualquer tipo de comentário, mas comentem por favor.
Se tiver uns 5 comentários, eu posto um com o Niall, tudo depende de vocês.
#Mary (@letgarrygo_)

4 comentários:

  1. puta merda melhor imagine de T O D O S, parabens, quase morri aqui pft dmsssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vdd mlr se tivesse como curti comentario eu curtia o seu kkkk
      vc é foda fofa
      ame a fanfic bjs

      Excluir
  2. seu imagine mi cativou,, li umas 5vezes sem exagero nhm..

    ResponderExcluir
  3. CARALHOOOOOOOOOOOOO QUE IMAGINE GOSTOSA DE LER

    ResponderExcluir