segunda-feira, 30 de junho de 2014

Just Friends? com Liam Payne (Parte 1)


  Sempre me disseram que quando estamos prestes a morrer, todas as nossas lembranças felizes retornam a vida e passam como se fossem um filme em nosso pensamento, mas.. Agora, que a água está invadindo cada extremidade do meu corpo, e fazendo com que meus sentidos se tornem escassos, não é bem isso que está ocorrendo.
  Minha mente está apenas voltada para uma única pessoa, a pessoa que me fez tomar a decisão de estar aqui, e deixar todo o resto para trás.. As lembranças felizes que eu esperava reviver não vieram.. no lugar delas veio a lembrança dos piores momentos da minha vida.. Momentos que eu daria tudo para esquecer, e agora, na hora do meu fim, eles resolvem me atormentar..

   Três dias antes..

  O filme rodava no DVD, mas eu estava com tanto sono que apenas via imagens destorcidas na tela, estava deitada com a cabeça no colo do Liam, e ele mexia levemente no meu cabelo e.. 
  Eu devo ter adormecido, por quando recobrei minha consciência estava deitada sozinha no sofá, sem ninguém ao meu lado, mas eu ainda podia sentir o perfume de Liam no ar, e também a lembrança de suas mãos em meu cabelo..
  Ele era meu melhor amigo, somos amigos desde criancinha, por conta dos nossos pais também serem amigos. Liam era o menino que todo mundo se espelhava, sua beleza de cinema, sua voz doce, suas qualidades incomparáveis, e seus defeitos relevantes.. Ele era o melhor amigo que alguém poderia ter, eu sempre iria agradecer por ter ele em minha vida, o problema, é que talvez eu tenha confundido as coisas..
  Nossa bonita e pura amizade virou amor.. 
  Ele não sabe, nem ao mínimo desconfia que eu tenha esse tipo de sentimento por ele.. E bem neste momento, estou tendo outra guerra interna para tentar decidir se era melhor contar ou não para ele sobre meus sentimentos, pois nunca nesses anos todos escondi qualquer coisa dele.
  Ouço a porta se abrir e ele entra sorrindo.
  
  - Hey dorminhoca. - Ele fala quando eu finalmente criei coragem para me sentar no sofá.
  - Hm, boa tarde.. - Falo em um bocejo.
  - Boa noite né, mocinha.. - Ele abre mais o sorriso e se senta ao meu lado. 
  - Já é noite? - Olho espantada quando ele confirma com a cabeça. - Quanto tempo eu dormi?
  - Já é sim. - Ele solta um riso. - Você dormiu praticamente a tarde inteira, eu até queria te acordar mais cedo, porque tenho uma notícia para te dar, mas você estava tão linda dormindo que não o fiz.. - Ele falou me olhando.
  - Ah sim.. - Sorri ao olhá-lo. - Eu acho que também tenho algo para te contar.. - Falei..
  Parte de mim queria contar, mesmo que outra parte queira aprisionar esse sentimento a sete chaves e não contar a ninguém. Mas talvez seja melhor que eu fale logo, pois a parte que quer contar ainda tem a pequena esperança de que ele retribua esse sentimento..
  - Tem? - Ele perguntou curioso. 
  - Acho que sim.. - Respondi.
  - Por que "acha"? - Ele perguntou ainda mais curioso.
  - Porque sim. - Toquei na ponta do nariz dele, depois continuei. - Mas primeiro me conte o que você queria.. 
  - Então.. - Ele respirou fundo. - Qual seria sua reação se eu começasse a namorar alguém? - Ele me perguntou, enquanto me analisava.
  - Depende da pessoa que você começasse a namorar.. - E em pensamento completei: "Se fosse eu, acharia ótimo, mas se fosse outra pessoa, não sei o que eu faria.." 
  - Entendi.. - Ele me olhou. - É porque eu estou gostando muito de uma certa pessoa.. - Ele parou de falar, e nesse momento pude sentir meu coração bater em um ritmo tão frenético que nem eu sabia o que fazer para acalmá-lo, minhas mãos suavam frio, e minha garganta parecia queimar.. 
  - De quem? - Perguntei. Eu estava curiosíssima, mas ao mesmo tempo temia a resposta.
  - Hm, não sei se você se lembra dela, a.. - Nesse momento me dei conta de que não era eu..
  Como eu pude ser iludida em pensar que em algum momento o Liam poderia me amar? Eu estava com raiva de mim, por ter acreditado em algo que nunca seria capaz de acontecer de verdade, por ter me iludido com meus próprios pensamentos..
  Meus olhos começaram a arder, e logo ficariam marejados.. E eu nem mesmo havia prestado atenção no nome da menina.. Fechei meus olhos com força, enquanto fingia arrumar o cabelo para fazer com que a ardência cessasse.
  - Você poderia repetir o nome? Não prestei muita atenção.. - Falei com a voz neutra e fria, escondendo minha aparente vontade de chorar e de sair dali correndo, por não suportar.
  - Claro, é Sophia.. - Fiquei repetindo esse nome mentalmente, ele não me era estranho, em algum lugar, no fundo da minha mente eu me recordava de ter conhecido uma Sophia..
  - Lembro que conheço alguma, mas não me lembro como, nem onde a conheci.. - Admiti.
  - Entendo.. Ela foi minha primeira ficante, lembra? - Um estalo se deu em minha mente. - Ela estudava com a gente, desde a primeira série. Ela era a menina mais bonita da classe, e eu fiquei tão feliz por ter tido a chance de beijá-la naquela festa, você se lembra? - Fiz que sim com a cabeça, e ele continuou falando. - Então.. talvez eu nunca tenha tocado no assunto, mas acho que sempre senti algo mais por ela do que pelas outras meninas..
  Eu estava estática, apenas absorvendo suas palavras, não conseguia ter reação nenhuma..
  - E vocês estão namorando? - Tive a coragem de perguntar, e por incrível que pareça, minha voz não vacilou nessa hora.
  - Estamos sim.. Pedi ela em namoro algum tempo depois que você dormiu.. - Ele falou.
  Eu me levantei, peguei meu casaco que estava jogado em um canto qualquer da sala de estar de Liam, e o vesti, em seguida comentei ironicamente:
  - Espero que você sejam felizes.. - Ele não percebeu a ironia em minha voz.
  - Obrigada.. - Ele falou me olhando com curiosidade. - Onde você vai?
  - Vou pra casa. - Respondi fria.
  - Eu já falei com o seu pai, ele deixou você jantar aqui em casa hoje.. - Olhei pra ele sem expressão alguma. - A Sophia também virá, ai vocês conversam para relembrar os bons tempos.. - Ele conseguiu soltar um sorriso.
  - Eu preciso ir, de verdade.. - Dei de costas para ele.
  - Mas e o que você tinha para me contar? - Ele segurou meus ombros, me virando para si mesmo, fazendo com que eu olhasse em seus olhos castanhos. 
  - Esquece, não é importante. - Caminhei até a porta e logo após fechá-la, sai correndo, tentando manter a maior distância que eu conseguisse. 
  Quando cheguei em casa, corri ao meu quarto, trancando-me lá. E então, eu desabei..
  As lágrimas rolavam meu rosto com a mesma intensidade de uma tempestade.. E essa tempestade estava ocorrendo dentro de mim.
  
  Ventos fortes de lembranças. 
  Chuva de lágrimas. 
  Trovões de segredos sussurrados. 
  Acho que eu já deveria esperar por isso.. Mas eu tenho o defeito de acreditar no amor verdadeiro.. E quer uma dica? Nunca se apaixone pelo seu melhor amigo..
  As horas passaram..
  E mesmo eu estando cansada de chorar as lágrimas não param de rolar sobre minhas bochechas.. Meu travesseiro estava molhado, por eu ter derramado minhas lágrimas nele, e a dor em meu peito não passava.
  Por que tudo isso está acontecendo comigo? Por que eu tive que me apaixonar por ele? Por que eu fui idiota e ingênua o bastante para acreditar que ele teria olhos para mim? Os 'por ques..' me atormentavam, e junto com ele os 'talvezes..' e os 'e se..' Enquanto uma frase se repetia em minha mente..
  "Um garoto e uma garota podem ser só amigos, mas em um ponto ou outro, eles vão se apaixonar. Talvez temporariamente, talvez na hora errada, talvez tarde demais ou talvez para sempre."
  Queria poder arrancar esse sentimento de dentro do meu coração, queria que fossemos mesmo só amigos, e que eu não pensasse em como seria melhor se fossemos algo mais. Queria não estar apaixonada, porque é um droga não ter o mesmo sentimento vindo da outra pessoa..
  Olhei para o relógio de cabeceira, marcava 00h00..
  Horas iguais.
  Fechei os olhos com força e fiz um pedido.. "Que eu encontre uma maneira rápida de fazer com que tudo isso passe..", então me cobri certinho com o lençol abarrotado e segurei o travesseiro mais perto de mim, limpei a lágrima que escorria, e prometi que seria a última.

  Dois dias antes..

  Acordei era pouco mais do meio dia, já me sentia um pouco melhor.. Doía? Ainda, mas talvez eu tenha que ser forte o bastante e deixar o Liam para lá, para que ele seja feliz com a namorada. 
  Me afastar dele seria a melhor alternativa, pelo menos nesse começo de namoro, pois só de pensar a ardência já voltava para os meus olhos.
  Demorei uma meia hora para criar a coragem necessária para me levantar da cama, depois disso fiz minha higiene pessoal, e me troquei, fazendo uma maquiagem de leve só para esconder meu rosto inchado, pelo choro.
  Ao sair do quarto minha mãe me dá um papel todo amassado, que continha um número de telefone, e depois diz:
  - O Liam ligou aqui hoje de manhã, porque disse que ontem você estava estranha.. - Ela me olhou de cima a baixo.
  - Eu estou normal mãe.. - Respondi dando de ombros.
  - Sério mesmo filha? - Ela me olhou mais demoradamente.
  - Sim mãe, confia em mim. - Falei desviando o olhar de dentro dos olhos dela. E quando eu ia dar um passo pra entrar na cozinha, senti seus braços ao meu redor, e retribui seu demorado abraço, e só quando ela me soltou pois estava atrasada para voltar ao trabalho eu entrei na cozinha a procura de algo para quebrar meu jejum.
  Sentei na mesa enquanto comia algumas porcarias, até que o telefone tocou. Me levantei e fui atendê-lo.
  - Alô? - Perguntei.
  - Oie (S/n).. - Aquela voz fez meu coração acelerar, e todos os meus pensamentos se confundirem. - Pedi pra sua mãe te falar pra que você me ligasse, mas você não ligou..
  - Oi.. - Respondi.
  - Tô preocupado com você.. - Ele falou depois de algum tempo em silêncio.
  - Comigo? Por que? - Perguntei como se estivesse tudo as mil maravilhas.
  - Sim, contigo. - Ele suspirou. - Por causa de ontem.. Você mudou, sei lá. - Ele completou.
  - Eu mudei? Claro que não. - Menti. 
  - Mudou sim, e eu quero saber o porque. - Ele falou como se exigisse algo.
  - Eu não mudei, não tem o porque eu mudar.. ou tem? - Deixei essa pergunta no ar.
  - Não sei se tem motivo ou não. É isso que estou te perguntando. - Ele falou com a voz dois oitavos acima do normal.
  - Se eu mudei é porque tenho meus motivos, okay? Então me deixa Liam. - Falei no mesmo tom de voz dele.
  - Eu quero saber quais são esses motivos! - Ele continuou com a voz acima do normal.
  - Para com isso! - Me exaltei. - Não fique agindo como você se importasse. - Completei.
  - Mas eu me importo. - Ele falou sem alterar a voz. - Por que você está desse jeito? É só por que eu estou namorando? - Ele falou, e essas palavras me atingiram como uma facada no peito.
  - Você não se importa, esquece.. - Falei com a voz baixinha.
  - Eu me importo sim, para com isso (S/n). - Ele falou, ainda com a voz alta. - Se eu soubesse que você ficaria assim com essa notícia nem teria te contado. - Ele completou, mas acho que se arrependeu de ter falado isso..
  - Não teria me contado? Que ótimo. - Frisei a palavra 'ótimo' usando toda ironia que consegui. - Vai lá com a sua namorada Liam. - Falei com raiva.
  - Talvez seja melhor mesmo eu ir com ela.. - Ele parou de falar no meio da frase, e eu precisei me segurar na parede para não desabar ali mesmo. A ardência voltou com tudo, e eu não controlei o choro. Estava pouco me fudendo na hora para controlá-lo.
  
  - É melhor sim. Tchau. - Falei chorando de raiva.
  - Você está chorando? - Ele perguntou assustado.
  - Sim, eu estou chorando. Está bom pra você agora? - Falei com ainda mais raiva.
  - Por que? Claro que não está bom, odeio te ver chorando. - Ele falou tristemente.
  - Odeia me ver chorando? Sério? - Falei ironicamente.
  - Odeio e você para de agir assim. Você não tem motivo para isso. - Ele falou rapidamente.
  - Tenho mil motivos para isso. - Falei chorosa. - Mas foda-se meus motivos, você não se importa.. Não mais.. - Falei.
  - Eu sempre vou me importar com você. - Ele gritou. - Para de pensar que tudo mudou só porque agora eu namoro.
  - Para você. - Gritei. - Você já me fez mal o bastante.. - Completei.
  - Eu fiz mal pra você? Quando? - Ele perguntou indignado.
  - Não importa.. - Falei.
  - Mas.. - Ele iria falar mas eu o cortei.
  - Mas nada, vai com a sua namorada e me esquece. - Gritei, desligando o telefone em seguida.
  Me encostei na parede até deslizar e sentar no chão. Meu choro era silencioso, eu não conseguia gritar e por tudo para fora, meus soluços eram baixinhos, e tudo o que eu pensava era em como eu era burra por ter estragado nossa amizade, que sempre foi perfeita..
  Encarei a parede a minha frente, e de repente me veio uma grande ideia..

  CONTINUA..
  MENINAS, VOU CONTINUAR ESSE IMAGINE SÓ SE TIVER 7 COMENTÁRIOS..
  Senão a segunda parte não sairá do rascunho..
  P.s. fiquei muito triste pelo post anterior não ter nenhum comentário.. fiz aquele imagine com tanto carinho, e achei que ele ficou tão perfeitinho, mas se ninguém comentou, vocês não devem ter gostado dele, ou ele não merecia um comentário. Por isso, se não tiver resposta aos imagines, eu simplesmente vou parar de postá-los, okay?
  #Mary

8 comentários:

  1. eu amei ������ continua por favorr

    ResponderExcluir
  2. N é so pq agnt n comenta q dizee q n gostamos seus imagines sao pfts continua, as vezes as pessoas esquecem de comentar tipo eu, sempre esqueço de comentar

    CONTINUA POR FAVOR N PARA SO PQ N TEM COMENTARIOS
    CONTINUAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
  3. Aeee esqueci : continua o imagine do Zain pfvr eu adorei essa fic

    ResponderExcluir
  4. continua por favorrrr tá demais !!!

    ResponderExcluir
  5. Ta maravilhoso.. Contunua esse imagne..
    lary

    ResponderExcluir