quinta-feira, 17 de abril de 2014

Imagine com Niall - Parte 1

Olá meninas, desculpem por esse tempo sem postar.. A escola tava pesada. Mas vou tentar postar regularmente...
Bem, esse é um imagine com o Niall, um imagine sem um final feliz.. Espero que gostem ^^


  A chuva caía descontrolada e furiosamente, e eu rezava para que ela fosse capaz de levar embora a tristeza que eu estava sentindo, mas nem isto ela seria capaz de fazer..
  
  Nem mesmo eu estava sendo.
  E só uma pessoa seria capaz desse feito, mas essa pessoa não estava disponível para mim neste momento.. E talvez, nunca mais estivesse..
  Recostei minha cabeça na poltrona e fechei meus olhos com força, tentando impedir que a avalanche de memórias invadisse minha mente.. Mas como já estava se tornando clichê, ela foi inevitável..
  *Flashback On*
  - Estou com saudades.. - A voz suave dele ressoou do outro lado da linha.
  - Também estou. - Falei baixinho, a verdade que eu queria esconder a sete chaves.
  - Quando vamos nos ver de novo? - Ele perguntou.
  - Não sei.. - Respondi em aberto.
  Amantes.
  Apenas ligados por uma diversão.
  Pena que eu confundi as coisas.. 
  A aparente diversão, transformou-se em amor.
  - Quero te ver antes de sair em turnê.. - Sua voz me despertou do transe.
  - Talvez.. - Respirei. - Talvez fosse melhor darmos um tempo.. - Falei rapidamente, como se falar mais rápido fosse de alguma maneira deixar aquelas palavras menos doloridas.
  - Mas por que, amor? - Ele perguntou docemente, sem deixar transparecer algum aspecto de dor, ou coisa assim..
  - Eu não consigo, me desculpe. - Respondi sentindo uma lágrima teimosa escorrer.
  - Não consegue o que? - Ele perguntou, e eu pude imaginar sua expressão confusa.
  - Não consigo ser apenas um objeto pra ti.. - Parei de falar, para ver que reação minhas palavras teriam sobre ele.
  - Já te falei inúmeras vezes que você não é um objeto para mim.. - Suas palavras eram doces, porém, eu não sabia o quanto de veracidade elas possuíam.
  -  Sei que você já falou.. Suas palavras correm pela minha mente, assim como as lembranças de todas aquelas maluquices que fizemos.. - Não pude deixar de sorrir ao reviver algumas em minha memória.
  - Se você lembra disso, então por que ainda questiona minhas intenções? - Ele perguntou com a voz um pouco mais séria.
  - Porque depois de todo esse tempo ainda sou considerada a outra.. - Falei sentindo o peso daquelas palavras, e antes que pudesse continuar ele me interrompeu.
  - Claro que não. - Sua voz estava alguns oitavos mais alta.
  - Por favor, me deixa continuar.. - Pedi, sentindo as lágrimas rolarem com mais força pela minha face.
  
  - Claro. - Ele abaixou o tom de voz. - Continue..
  - Eu te amo, e não há quem tenha dúvidas disso.. Você também diz que me ama, mas muitas vezes parece ser apenas palavras jogadas da boca para fora, sem que se aplique o real significado delas.. - Suspirei fundo, e ele tentou falar algo, mas o cortei imediatamente. - Shiiu.. Não fala nada, por favor.. - Enxuguei a lágrima que escorria e continuei. - O que eu sinto não vai mudar, pode se passar um milhão de anos e eu ainda estarei te amando, mas não aguento mais ter que ficar sempre escondida, ou ter que mudar minhas atitudes com você quando estamos em público.. Essa vida dupla cansa..
  - Me desculpe fazer com que você tenha que passar por isso, você sabe que.. - Ele começou a falar.
  - Eu sei, eu sei que tudo o que você faz é porque a Modest! manda, você não precisa repetir.. - Falei em um tom de voz moderado, procurando esconder que estava chorando.
  - Desculpa.. 
  - Tudo bem.. - Respondi neutra. - Desculpa por estar te falando isso agora.. Me desculpa mesmo, principalmente por entrar na sua vida, e agora por egoísmo meu estar saindo dela.. - Respirei fundo. - Sentirei uma enorme falta de ti, mas assim será melhor para nós dois... Você estará livre para fazer o que quiser, sem se prender pelo o que irei pensar, ou deixar de pensar. Você estará livre para escolher o que é melhor pra ti, sem que eu esteja interferindo nas tuas decisões, mas quero que saiba que se quiser um ombro amigo, ou se quiser voltar para mim, estarei de portas abertas para ti...
  - Mas... - Ele tentou falar.
  - Eu te amo. - Falei depressa e em seguida desliguei meu telefone.
  Agarrei meu travesseiro e deixei todo o choro que eu havia segurado se libertar...
  *Flashback Off*
  Ás vezes não podemos evitar lembranças como essas de nos atormentarem.. O problema é que elas já se tornaram rotina pra mim.
  Mesmo que o tempo já tenha passado, não consigo esconder a falta que ele me faz, nem tirar o rosto dele de meus sonhos..
  Sou forte o suficiente para deixá-lo ir. Mas fraca o suficiente para precisar dele...
  Mas eu preciso ser forte, e parar de ser dependente de alguém que provavelmente já seguiu sua vida, e nem se lembra mais de mim.
  Levantei da poltrona e fiz um chocolate quente, em seguida fui ao meu quarto e me joguei na cama, pegando o notebook, entrei no twitter, e uma das interações chamou minha atenção, era um tweet da Modest!, querendo saber o porque eu havia saído da vida do Niall e se eu estava feliz com isso...
  Tendo a certeza de que não conseguiria responder isso em 140 caracteres, entrei no blog de uma amiga e comecei...

  "Entrei em umas das minhas redes sociais e me deparei com alguns questionamentos que me fizeram pensar sobre minha vida.. Questionamentos sobre mim, e sobre o Niall..
  Bem decidi que não vou pedir para que você leia isso, nem para que se importe com o que vou dizer.  Mas.. Cansei de sempre ser segunda opção, de ter que mudar minha maneira de agir em público, então, faça o que você tiver vontade de fazer. 
  Quer me ligar? Você sabe meu número.
  Quer vir me ver? Minha porta sempre estará aberta, você sabe disso.
  Mesmo que a minha vontade seja de fechá-la e trancá-la a sete chaves, só para te impedir de entrar e sair quando bem tiveres vontade, sei que lá no fundo eu sou incapaz de te pôr pra fora da minha vida. 
  Mas também decidi que não vou te forçar a me ter na sua, porque sei que te prender é o primeiro passo para te perder. 
  Então, amor, te deixo livre pra partir, como já havia te dito anteriormente…
  Só antes queria que você soubesse da enorme falta que você está me fazendo.
  É isso mesmo que você leu, acabo de admitir o impossível: sinto tua falta.
  Antes eu ainda me prestava a negar isso, mas se tornou tão óbvio que já não serve de nada. Parte de mim ainda tinha a esperança de que fosse apenas orgulho ferido, mas… Chegou a hora de falar a verdade para mim mesma.
  Eu me apaixonei por você, da forma mais estúpida e autodestrutiva que poderia tê-lo feito.
  Acho que você deve me entender, afinal, estava tão assustado quanto eu por perceber no que todas as nossas brigas estavam se transformando, por reparar nas palavras doces que começavam a surgir, na vontade que insistia em estar ali a todo segundo.
  Então, você teve que tomar providências rápidas, não é, meu amor? Você fugiu.
  Duas palavras tão simples nunca vão explicar o súbito vazio dentro de mim por ver-te indo embora. Foi tão inesperado, tão rápido.
  Uma hora estavas aqui, e no minuto seguinte tive que te deixar ir. Me explica isso, por favor. 
  Porque agora só sobrou eu e uma xícara de Nescau vazia, só sobrou eu ao lado do telefone.. Aguardando por uma ligação sua que, talvez, eu nem mereça.
  Fui eu que entendi tudo errado, amor?
  Eu que precipitei e vi sinais onde a estrada era escura?
  Eu não entendo, me perdoa por te amar.
  Me perdoa por confundir as coisas..
  Você se foi, aceito isso, mas não compreendo. Eu mesma, com meu orgulho besta, pedi para que isso acontecesse..
  Destruí o que estava tão certo, tão perfeito.
  E eu, ainda assim, sinto a tua falta. E estou escrevendo para que você se toque de que é você e volte pra mim. Porque meu travesseiro ainda tem teu cheiro, e meus blusões não são quentes o suficiente.
  Porque eu não consigo dormir durante a noite, me alimentar direito e nem escrever.
  E tão sério, como teus olhos inflados de desejo, eu queria lhe dizer que sim, eu te amo..."

  Escrever esse texto me fez mais uma vez reviver momentos dolorosos, e chorar..
  Mas seria inevitável, não?
  Quem ama tem que sofrer, não há escapatórias.. E mesmo não querendo, eu o amo, o amo de verdade..
  Mas uma vez que ele apenas me ilude com palavras bonitas, eu espero ações concretas, e estas, não vem..
  Larguei o notebook em cima da escrivaninha, e voltei para a cama, deitando e procurando esquecer de tudo e não pensar nas consequências que aquele texto me traria. Até que acordei, por causa de um telefonema...

CONTINUA...


MENINAS, VOU CONTINUAR QUANDO TIVER 5 COMENTÁRIOS..
ESPERO QUE GOSTEM <3

#Mary
  

6 comentários:

  1. Aiiii mds continua pf amr @horanmaniaco

    ResponderExcluir
  2. Continua !!!! tô adorando e já tô viciada hahahaha ♥
    Gabi xx

    ResponderExcluir
  3. MUITO lindoo nossa vc escrever maravilhosamente bem parabéns =)

    ResponderExcluir