terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Heartbreaker com Justin

Hey meninas, tive a ideia para um imagine com o Jus, é inspirado em Heartbreaker, música dele mesmo (~Clique aqui para ouvir enquanto lê o imagine~), espero que vocês gostem...

  Bi...Bi...Bi...
  Eu sei que ela não quer atender o telefone. Alega que não tem nada para conversar comigo.
  Mas ela não sabe como eu me sinto depois que ela foi embora...
  Bi...Bi...Bi...
  Sei que tudo é ilusório.. Mas esperava que ela atendesse o celular, não queria perder o amor dela... Por que mesmo com nossas diferenças, sei que poderíamos ficar juntos de alguma maneira.
  Bi...Bi..
  - Alô? - Ela pergunta com a voz calma e doce, e eu sinto um aperto no peito e uma saudade dela sussurrando ao pé do meu ouvido com a voz assim..
  - (S/n), é o Justin... - Respondi, e um sorriso escapou dos meus lábios. Era a primeira vez em semanas que eu ouvia sua voz doce.
  
  - Sim? - Sua voz se transformou em um sussurro nervoso.
  - Eu só queria falar com você... - Respondi nervosamente. - Tento te ligar todos os dias, mas você nunca se deu o trabalho de atender.
  - Justin, eu não sei se é uma boa ideia... - Ela responde com a voz contida. Era praticamente impossível determinar o que ela pensava no momento.
  - Por favor... - Pedi. - Me encontre mais tarde, no nosso 'lugar secreto' ... É importante. - Sussurrei, tentando controlar minha voz ao máximo. A propósito, nosso lugar secreto era apenas um jardim, em uma praça pouco movimentada, foi lá que nos conhecemos, e nunca há ninguém que possa nos incomodar lá..
  - Jus.. - Ela me chamou pelo apelido, como sempre fazia. E uma parte de mim quis esquecer todas as discussões bobas, e apenas segurá-la novamente em meus braços. - Eu não posso! Desculpe. - A voz dela sofreu um alteração brusca, passou de baixa e controlada para normal e frenética.
  E então, ela desligou.
  Tudo estava ocorrendo tão bem e assim, sem mais nem menos, ela desliga na minha cara... Só poderia significar uma única coisa: Os pais dela deveriam estar por perto.
  Os pais dela não gostam de mim, e sempre torceram para que tudo no nosso relacionamento desse errado, porque na visão deles, não sou bom o suficiente para ela.
 
  ...

  Me revirei na cama, sem conseguir dormir... Como sempre desde que ela me deixou.
  Eu queria falar com ela, mas não somente por telefone, isso, se ela me atender, mas queria olhar em seus profundos olhos...
  Ansiava desesperadamente em saber como ela se sentia em relação à mim... Se era, ou não, da mesma maneira que eu me sentia em relação à ela.
  Levantei-me daquela cama dura e fria, e olhei através da janela. O horizonte estava coberto por uma densa camada de chuva, que apenas se intensificava a cada segundo...
  Tirei meu moletom e coloquei uma roupa descente, peguei as chaves do carro, e também um guarda-chuva..
  Nem me atrevi a olhar para o relógio, nas arriscaria dizer que já se passavam das duas da manhã.

  ...
 
  Estacionei quase na frente da casa dela, peguei meu guarda-chuva e dei um longo suspiro, em seguida, sai do carro.
  - (S/n)... (S/n).. - Às vezes, penso que sou um pouco louco... Já é de madrugada e eu estou parado debaixo de um guarda-chuva chamando desesperadamente o nome dela.
  Mesmo que eu tenha certeza de que ninguém vai me notar aqui...
  Ou não.
  A luz do quarto dela se acende, e eu consigo ver seu rosto quando ela olha pela janela, e logo em seguida solta uma exclamação ao me ver do lado de fora de sua casa, bem debaixo de uma horrorosa tempestade.
  Em segundos ela desaparece...
  Mas, pouco tempo depois a porta é aberta, meu coração praticamente sai pela boca, pois pensava que seria ela, mas era o pai dela, ele me olhou séria e friamente, como se perguntasse: 'Que diabos você faz aqui, moleque?'
  Mas então, ela passa correndo por ele, não dando-o chance de barrá-la. 
  Ela vem ao meu encontro, nos encaramos por longos segundos, e... Ela está muito mais bonita desde a última vez que à vi, o que já faz alguns longos e dolorosos meses... 
  Um sorriso estampa seu rosto angelical, e ela praticamente encosta seu corpo no meu para que pudesse ficar debaixo daquele mísero guarda-chuva também.
  
  Sinto um sorriso automático escapar de meus lábios.. E nesse precioso instante senti que não queria estar em nenhum outro lugar, a não ser ali, debaixo de um guarda-chuva, em meio a uma tempestade...
  - Pensei em você o dia todo, após sua ligação... - Ela quebrou o silêncio, que já estava se tornando constrangedor.
  - Eu sempre penso em você.. - Respondi, fazendo-a levemente corar. - Err.. Eu só quero te fazer entender que apesar de todas as imperfeições de quem eu sou, eu ainda quero ser seu homem.
  Ela me encarou, fazendo-me mergulhar no abismo que eram seus olhos. Respirei profundamente e continuei.
  - Sei que não está sendo fácil para nós, com todos por perto. - Nessa hora, não pude evitar desviar o olhar dela e olhar para a porta de entrada da casa, no qual se encontrava a mãe e o pai dela. - Mas isso é pessoal. - Olhei novamente em seus olhos. - É entre mim, e você!
  Ela assentiu, mas percebi que não tinha as palavras necessárias para falar, então falei no seu lugar..
  - Quero que você saiba que ainda te amo. - O sorriso em seu rosto aumentou. - E que as estações podem até mudar, mas que o amor que eu sinto por você vai do sol até a chuva. - Deixei um sorriso bobo escapar. - Espero que você ainda acredite em nós, do jeito que eu acredito em nós. Não quero perder tudo o que já construímos...
  - Eu acredito, Jus... - Ela respondeu, e percebi pelos seus olhos que era a mais pura e bela verdade.
  Em seguida, deixei o guarda-chuva escapar de minha mão enquanto a puxava para um beijo. Longo e esperançoso...
  
  Paramos por falta de fôlego. Ela me olhou sorrindo e em seguida mordeu a parte inferior de seu lábio.
  Ela estava encharcada, e extremamente atraente. Eu deveria estar na mesma situação... Tirando a parte do atraente, claro!
  Ela passou os braços em volta da minha cintura, puxando-me para um abraço, e encostou a cabeça em meu ombro. A chuva reluzia em contato com o seu rosto, valorizando seu olhos.
  - Há alguma chance de você ficar aqui para sempre? - Ela perguntou, corando levemente com a própria pergunta.
  - Nunca mais te deixarei, Meu Anjo.. - Beijei sua testa e a apertei mais fortemente contra meu corpo.
  
  "And I know that I don't wanna lose your love, oh baby..."

Fim... 

Gostaram minhas lindas??
COMENTEM POR FAVOR!!
#Mary

Um comentário: